Notícias a toda hora!

Segurança que ateou fogo em creche de Janaúba/MG deixa mensagem de despedida

"Nunca fiz mal a ninguém", disse segurança que ateou fogo em creche municipal de MG

O incendiário reconhecido como Damião Picolé, possuía problemas mentais e acabou ateando fogo em dezenas de crianças em uma creche em Janaúba, Minas Gerais, Damião Picolé já dava pistas do que poderia fazer. A violência exercida contra crianças inocentes revoltou todo o Brasil e teve até repercussão internacional, dada a violência contra as vítimas menores de cinco anos.

Veja Também: Agressor ateia fogo em creche e mata crianças e professora
O incendiário acabou ateando fogo em si próprio após colocar fogo na creche e se tornando um suicida. Logo após sua morte, foi dado início as investigações para tentar descobrir qual foi sua motivação para que ele cometa um ato tão horrível. Seu perfil nas redes sociais foi analisado por um psicológico, que começou a entender a situação.

O Segurança da creche já tinha um plano em mente e sua atitude chocou o brasil.
Damião teria dito alguns dias antes do ocorrido para seus parentes, que daria um “presente” a todos. Parentes do incendiário confirmaram que ele sofria com problemas mentais e possuía obsessão por crianças.

Veja Também: Criminosos tentam assaltar academia de jiu-jítsu mas acabam levando a pior
O local onde ocorreu a tragédia, o Centro Municipal de Educação Infantil Gente Inocente, pertence à prefeitura municipal. Damião Picolé era funcionário da creche deste 2008, e nunca apresentou algum problema relacionado a creche. Testemunhas contaram que ele jogou álcool nas crianças e depois atacou fogo. Damião tinha como objetivo matar todos presentes na unidade.

Após oito anos trabalhando na creche, ele acabou sendo afastado por motivos médicos. Pouca gente tinha conhecimento, mas ele já apresentava problemas mentais.

A creche foi projetada para atender 82 crianças e no dia do ocorrido estava completamente cheia. “O segurança entrou na creche municipal falando que iria só entregar um atestado médico, pois ele dizia estar se sentindo muito mal. Mas estava em suas mãos um balde de álcool, que usou para jogar nas crianças”, diz o prefeito.

Veja Também: Globo cancela programa Estrelas comandado por Angélica há 11 anos

O prefeito da cidade de Janaúba foi questionado sobre as afirmativas de que o segurança teria problemas mentais, mas negou que ele tenha apresentado qualquer sinal de problema. “As coordenadoras da creche disseram que ele chegou normal, tranquilo. A atitude rápida dele nos deixou surpresos”, disseram.

O prefeito de Janaúba, Carlos Isaildon Mendes (PSDB) ainda disse que o ataque poderia ter sido ainda maior, porque a sala que o incendiário invadiu tinha crianças de até 5 anos de idade, onde ao lado funcionava o berçário, o que seria totalmente impossível salvar as crianças ali presentes.

Manchete Notícias  Segurança que ateou fogo em creche de Janaúba/MG deixa mensagem de despedida
Foto: Reprodução

Damião possuía um laudo de problemas mentais e ainda havia feito postagens em suas redes sociais que foram interpretadas como dicas do que estaria por acontecer. O segurança que matou crianças queimadas vivas em Janaúba deixou uma postagem de despedida.

‘Nunca fiz mal a ninguém’, disse Damião em uma mensagem de ‘despedida’.

De acordo com o delegado Barbosa, o incendiário havia contado a família que essa semana iria morrer. Parentes contaram à polícia que, desde 2014, Damião já mostrava sinais de loucura. “Ele dizia que a mãe estava envenenando a sua água, e que isso estava trazendo problemas”, disse o delegado.

A polícia encontrou cartas escritas por ele, onde dizia ter simpatia e afeto por crianças. Também foram encontrados galões de combustível. “Encontramos seis ou sete galões de cinco litros com álcool”, disse o delegado.

Veja Também: A Fazenda 9: Carro de som alerta Marcos Harter para ficar distante de Ana Paula Minerato

Apelidado como Picolé, pois andava com seu carrinho de sorvetes nas ruas da cidade, já trabalhava na creche há oito anos e desde o início ninguém conseguia entender a motivação dele que não demonstrava ser capaz de cometer ato tão bárbaro.

você pode gostar também